Arquiteta e Designer de Interiores

Como separar a função de arquiteto do designer de interiores?

É função do arquiteto projetar um espaço ou reformar mas pelo olhar integral, que quer ver a casa funcionando como um corpo sadio, bonito e harmonioso, de fora pra dentro e de dentro pra fora, ganhamos a função também de designer de interiores, extraindo todos os recursos que o espaço oferece, através do design, na melhor forma de compatibilizar o externo com interno.

Utilizar a luz natural por exemplo, através da melhor projeção da janela e das aberturas e em paralelo utilizar da luz artificial, a melhor projeção da função de iluminar e de criar efeitos.

Criar efeitos?

De luz mas também de cor, de jardim, de um ângulo, de uma forma, de um layout, de acabamentos, de vestimenta através da decoração, de um símbolo e suas intenções, da proporção de um móvel, de um objeto …de possibilitar que a vida pulse através do bem, do belo e do melhor que podemos oferecer através do nosso conhecimento.

E aí esse texto surgiu porque hoje é o dia do Designer de Interiores e como Arquiteta também me sinto homenageada nesse dia.

Contagiando de bençãos!

Símbolos emanam energia e são capazes de contagiar um espaço…um bairro… uma cidade…um país…

Um exemplo disso é a intervenção artística e urbanística do Mena , um presente que São Paulo ganhou, com a expansão das cores do arco-íris, das borboletas e a flor da vida, o padrão atômico perfeito, a geometria sagrada pulsando agora na cidade.

E domingo passado, chegando em Sampa, pude constatar pessoalmente …adorei!

Que possa vibrar todas as virtudes divinas através desse arco íris, que as borboletas sejam portadoras de transformações desse novo padrão!

Porque tudo que queremos ver transformado no macro, começa com essas atitudes no micro!

Que tal dar vida nova?

Ele pode ser apenas uma passagem, um corredor de serviço ou podemos dar vida a ele, criando áreas permeáveis de jardim num desenho sinuoso …

…podemos fazer um peitoril mais largo na janela da cozinha para horta em vasinhos …

…criar um pergolado onde possa subir uma primavera com flores cor de rosa para descansar numa rede sob ela…

…criar um muro verde pra ter mais privacidade do vizinho …

e quem sabe a possibilidade de se refrescar numa banheira ao ar livre sob a cobertura de telhado existente, podendo fazer toda diferença nesse calor!

Bom, por enquanto estamos em projeto, mas não resisti, quis mostrar por aqui!

Na harmonia, na beleza…me comunico!

Essa forte tendência da comunicação online está gerando um item importante no programa de necessidades dos meus clientes.

Nesse projeto do quarto da Helô fez parte do briefing uma estante interessante atrás da bancada, onde ela com seu notebook muitas vezes está conectada com amigos ou em curso, com sua câmera aberta.

Nada melhor do que ter um visual atrás da sua imagem pessoal que passe harmonia, organização e beleza.

Menos é mais!

Quem são os protagonistas da cena?

Numa estante, caso existam muitas peças expostas, corre-se o risco, de mesmo sendo super interessantes, não serem vistas por conta da poluição visual.

Aqui a história não é quantidade e sim qualidade de design e intenção.

Neste caso falamos do ser ” Penso, logo existo do Espaço Oriente e dessa árvore que eu amo do designer Leonardo Bueno com a intenção de qualificar o canto da família, que pela filosofia do Feng Shui é representado pelo elemento madeira.

Que tal reciclar?

Esse final de semana resolvi dar nova vida a alguns objetos que estavam em um deposito, precisando de cuidados, numa tentativa de “salvação” do descarte para o lixo… e aí a banqueta enferrujada e a gaveta sem função se transformaram num acessório incrível de banheiro …eu adorei e lembrei de um texto que escrevi em novembro de 2011, que segue abaixo:

Brincando de dar vida à objetos e à matéria mais densa, acionei os meus sentidos, os cinco mais conhecidos como a visão, audição, olfato, tato e paladar e também outro como a intuição e um outro que capta energia, assim como o pêndulo para radiestesia.

A animação tomou conta do espaço e como no filme de Walt Disney, ” A Bela e a Fera “, onde xícaras e castiçais falam, pude visualizar os anseios e perspectivas dos objetos, num grito de liberdade.

Liberdade ??? É … liberdade !!!

Porque aquele violão está tanto tempo dentro daquele caixão preto, embaixo da cama ? … quantas notas aprisionadas … o som está preso à espera de um músico que queira, quem sabe, se libertar de seus vícios e aflorar definitivamente para seu talento !
(…)
E aquele móvel que as gavetas emperraram ? … também com tantos papéis … documentos importantes, cartas, lembranças … a última vez que foi aberta à procura de uma nota fiscal da garantia da tv, já havia vencido há 5 anos … quanto peso de palavras, números e traças !

E aquela cadeira quebrada ? … de tanto ser xingada pelos tombos dos que nela sentavam, virou peça de destaque no depósito … torcendo para ser descoberta, consertada, limpa e “sentada” novamente !
… quanto anseio de liberdade !!!

Observei que esses prisioneiros dependem de nós, da nossa organização e atitude e que ao libertarmos destes anseios, também nos libertamos de histórias que muitas vezes nos prendem ao passado, à pessoas e suas redes de influência. Podemos recolorir, dar nova função, repaginar, limpar … quem sabe doar, para que possam, conscientes de seu potencial, serem livres para concretizar sua missão de servir em outro patamar energético, trabalhando em prol da harmonia. (…)

O micro ressoa no macro e…

Tudo que queremos ver transformado no macro começa aqui, no micro.

E em paralelo existe uma outra frase, essa do meu querido amigo Paulo Cavalcanti

“Quando apontamos o dedo indicador para alguém, existem três dedos apontados para nós! “

Há 20 anos essa frase me incomodava muito, hoje eu entendo …muitas vezes fica mais fácil acusar o outro e sermos vítimas da situação, até descobrirmos que não existem vítimas, existe a ressonância e a criação do mundo que reverberamos pelo nosso pensamento, espelhamento e crença.

Porisso acredito que a reforma interior, as terapias e colocar nosso talento e propósito em ação, através do auto conhecimento, ainda são a melhor ferramenta para criarmos o mundo que queremos viver, do micro Casa/Ser – Casa/Espaço para o macro – Casa/Planeta.

E você, acredita nisso?

Vocação

Minha vocação! …é o que esta escrito na fita vermelha e que expande ao vento, espalhando a benção!
Essa  inclinação natural que direciona alguém para uma profissão específica, nem sempre é tão fácil de identificar para algumas pessoas.
No trabalho de harmonização oriental da casa,  baseado no Feng Shui e no equilíbrio dos 5 elementos, dá para facilitar esse processo tão necessário, na identificação do talento aliado ao propósito para satisfação pessoal e consequente prosperidade.
Como a agulha da acupuntura para o corpo, intensificar a área do elemento água, no local certo da CASA, ajudará nessa cura. Pode ser representado por uma fonte, quadro de mar, lago …  a cor azul ou preta, a forma orgânica ou ondulada e outros símbolos mais.
Harmonizar a CASA é também harmonizar o SER que nela habita e nesse cuidado com o micro, consequentemente atuará no macro, no PLANETA.
Essa é uma das minhas atuações nesse mundo, minha vocação!
Qual é a sua? O que te deixa tão feliz ao realizar, que além de ser bom pra você, é uma contribuição para o outro e para o todo?

Sequência Fibonacci

No quarto do Miguel que estamos projetando, desenhei na lousa a sequência de Fibonacci.
Nessa sequência numérica cada número seguinte é a soma dos dois anteriores .
A proporção áurea é o resultado dessa sequência numérica (1,618) e podemos encontrar nas formas da natureza, nas copas das árvores, nas folhas, nas flores, no ser humano ( rosto, corpo, mão) e em muitas manifestações de vida.
Essa é a formula da criação Divina e está disponível para que possamos utilizar e quem sabe as crianças, desse novo momento, possam aprender de forma lúdica!
Se somos imagem e semelhança dele, porque não aproveitar a sintonia e imitá- lo em nossas criações, na busca da harmonia, da beleza e da perfeição?!

Na beleza, na leveza … na arte!

Uma linha vertical encontra com uma linha horizontal e se fundem num ponto, uma se veste de canga a outra se veste de tapete, juntas convidam almofadas, garrafas, aproveitam o verde do jardim de fundo e montam um cenário.

E assim, na simplicidade, pode ser a vida, na beleza, na leveza … fazendo da intenção de um canto, um bom motivo pra criar, para fazer arte!