Que tal reciclar?

Esse final de semana resolvi dar nova vida a alguns objetos que estavam em um deposito, precisando de cuidados, numa tentativa de “salvação” do descarte para o lixo… e aí a banqueta enferrujada e a gaveta sem função se transformaram num acessório incrível de banheiro …eu adorei e lembrei de um texto que escrevi em novembro de 2011, que segue abaixo:

Brincando de dar vida à objetos e à matéria mais densa, acionei os meus sentidos, os cinco mais conhecidos como a visão, audição, olfato, tato e paladar e também outro como a intuição e um outro que capta energia, assim como o pêndulo para radiestesia.

A animação tomou conta do espaço e como no filme de Walt Disney, ” A Bela e a Fera “, onde xícaras e castiçais falam, pude visualizar os anseios e perspectivas dos objetos, num grito de liberdade.

Liberdade ??? É … liberdade !!!

Porque aquele violão está tanto tempo dentro daquele caixão preto, embaixo da cama ? … quantas notas aprisionadas … o som está preso à espera de um músico que queira, quem sabe, se libertar de seus vícios e aflorar definitivamente para seu talento !
(…)
E aquele móvel que as gavetas emperraram ? … também com tantos papéis … documentos importantes, cartas, lembranças … a última vez que foi aberta à procura de uma nota fiscal da garantia da tv, já havia vencido há 5 anos … quanto peso de palavras, números e traças !

E aquela cadeira quebrada ? … de tanto ser xingada pelos tombos dos que nela sentavam, virou peça de destaque no depósito … torcendo para ser descoberta, consertada, limpa e “sentada” novamente !
… quanto anseio de liberdade !!!

Observei que esses prisioneiros dependem de nós, da nossa organização e atitude e que ao libertarmos destes anseios, também nos libertamos de histórias que muitas vezes nos prendem ao passado, à pessoas e suas redes de influência. Podemos recolorir, dar nova função, repaginar, limpar … quem sabe doar, para que possam, conscientes de seu potencial, serem livres para concretizar sua missão de servir em outro patamar energético, trabalhando em prol da harmonia. (…)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *