Olhares e Vozes da Alma

“Quando perdoo dentro de mim

tudo o que vejo fora de mim,

um clarão de luz

reluz

e não me perco mais

em meus labirintos,

porque tudo lá

dentro se organiza,

acalma, pacifica.

Pois cessa o conflito

que me fazia aflito,

e fora de mim tudo

fica mais bonito.”

Eu amo os poemas da Fatima Lee e as fotos de Eliza Carneiro, um casamento perfeito. E agora teremos o prazer de apreciar essa união no livro  ” Olhares e Vozes da Alma” com direção editorial da Estação das Letras e Cores de Kathia Castilho e Produção Gráfica de Jurema Pignata e Fredy Grecco. O  Lançamento será na Livraria da Vila do Shopping Higienópolis, nesse sábado (28/10/17) das 11 as 14 horas.

Vibrando mais amor!

“O padrão vibratório de uma casa tem relação direta com a energia e o estado  de espírito de seus moradores.
O conjunto de pensamentos, sentimentos, estado de espírito, condições físicas, anseios e intenções dos moradores, fica impregnado no ambiente criando o que se chama de egrégora.
O que poucos sabem é que as paredes, objetos e a atmosfera da casa tem “memória” e registram as energias de todos os acontecimentos e do estado de espírito de seus moradores.
Por isso, quando pensar na saúde energetica de sua casa tome a iniciativa básica e vital de impregnar sua atmosfera apenas com bons pensamentos e muita fé.
Evite brigas e discussões desnecessárias.
Observe o seu tom de voz: nada de gritos e formas agressivas de expressão.
Não bata portas e tente assumir gestos harmoniosos, cuidando de seus objetos e entes queridos com carinho.
Não pense mal dos outros.
Pragas nem pensar.
Selecione muito bem as pessoas que vão frequentar sua casa.
Se você nutre uma mágoa profunda ou mesmo um ódio forte por alguém, procure ajuda para limpar essas energias densas de seu coração.
Alegria, amor, paz, prosperidade, saúde amizades, belezas já estão bom para começar, não é mesmo?.”
Chico Xavier

Felicitações!

“Para cuidar bem de nós mesmos, temos que voltar e cuidar da criança ferida dentro de nós. Você tem que praticar o voltar para a sua criança ferida todos os dias. Você tem que abraça-la com ternura, como um grande irmão ou uma irmã mais velho.

Devemos ouvir a criança ferida dentro de nós. A criança ferida em nós está aqui no momento presente. E nós podemos curá-la agora. Minha querida criança ferida, eu estou aqui para você, pronto para ouvi-la. Diga-me todo o seu sofrimento, toda a sua dor. Estou aqui, realmente ouvindo. Temos que abraçar essa criança e, se necessário, temos que chorar junto com ela, (…)

Pense em uma panela de água fervente com a tampa. O vapor vai empurrar a tampa. Se você retirar a tampa para que o vapor possa sair do pote, não há mais nenhum problema. O vapor não estará criando mais muita pressão, ele foi liberado.

Da mesma forma, se podemos falar com a nossa criança interior desta forma e expor o medo original da infância para a luz da consciência, podemos começar a cura. Temos que tranquilizar a criança que, embora o medo seja real, já não tem qualquer fundamento. Nós nos tornamos um adulto. Podemos nos proteger e nos defender.”

Aproveito esses trechos do texto do Thich Nhat Hanh para felicitá-lo hoje pelo seu aniversário de 91 anos, bem como para felicitar todas as crianças, principalmente a nossa criança interior!

Na ilustração, nichos para organizar bonecas que executamos aproveitando espaço atrás da porta do quarto.

Liberando Espaço para Fluir!

É visível, na foto do ANTES, observar que o sofá tem medida bem maior do que a Sala comporta, ocupando quase todo o espaço e dando uma sensação de aperto e desconforto.

No DEPOIS, no mesmo Espaço disponível, em Projeto, estamos propondo um novo layout, onde a Sala agora parece bem mais ampla e com um movimento de energia favorável, segundo o Feng Shui que vê a posição atual do sofá como um obstáculo ao fluir e conseqüentemente ao fluir da vida.

Oriento que mesmo quem não possui recursos para executar um Projeto de Design de Interiores nos consultar para assessoria de uma sessão de uma hora para resolver esse e outros tipos de problema.

E vamos fazer alquimia porque tudo que queremos ver transformado no macro começa aqui, no micro.