O quarto estado da água!

Venho de um feriado em Gonçalves, terrinha mineira potencializada de energia e repleta de cachoeiras … de vivenciar a força das águas e tive o prazer de fechar  a noite com chave de ouro, já em São Paulo, com a peça: “ O Quarto Estado da Água”!

Águaaaa !!!

A peça dirigida pela talentosa e querida amiga Bia Szvat, com dramaturgia de Flávio Cafiero, estrelada por Kiko Pissolato, Anderson di Rizzi e Helbert Richers Jr e música ao vivo (violoncelo, acordeão e sax), nos faz refletir sobre os estados da água, num encontro de identidades sólidas, líquidas e gasosas,  através do ”retrato da vida de três homens que se encontram (podendo ser também a referência da busca da integridade perdida de um homem e seus ciclos de vida ou suas inseguranças) , desencadeando um mergulho nas suas memórias. “Os eventos relembrados passam pela descoberta da própria identidade, a partir da repressão e comportamentos não considerados masculinos (…) O preconceito diz que o masculino não pode manifestar sensibilidade ou outras característica consideradas femininas ou fracas.”

O quarto estado da água, que não é líquida, nem sólida, nem gasosa, nos remete a inquietação do homem contemporâneo que diante do machismo investiga o novo masculino, bem como novas formas de amar, fazendo um paralelo baseado no fato ainda pouco conhecido, do fenômeno causado pelo aprisionamento das moléculas de água no mineral berilo, encontrado na esmeralda.

E toda complexidade do texto é explorado no palco de forma criativa e leve, resgatando “a arte como entretenimento, espaço de reflexão e construção artística. O resultado é um espetáculo altamente atraente, uma comédia feita com humor corrosivo, diálogos bem esculpidos cheios de primeiras, segundas e terceiras intenções, repleto de musicalidade, tempos de reflexão para todo mundo que busca algum frescor na forma de se fazer teatro”

Reflexões minhas : Água no estado gasoso, líquido, sólido, plasma, molécula aprisionada, ondas altas, ondas moderadas, “n” estados, “n” personalidades, “n” ciclos …independente de tudo, em essência, tudo é Água … deve vir daí a frase “Somos todos um”!!!

Assistam a peça no Top Teatro até 18/06.e façam suas reflexões … eu adorei!!!

Os ingressos estão a venda pelo site: www.aloingressos,com.br .

A Geometria e a Sustentabilidade!

Na Expo Arquitetura Sustentável através da visita guiada pelo Geobiologo Allan Lopes conhecemos a Drag’ Eau.

Essa empresa, com sua linha industrial da UMH, trabalha com a transformação da água com freqüências negativas para seu estado de água de nascente, sem uso de química e sem consumo de eletricidade.

O princípio, falando na minha linguagem, é que a água passa por um objeto tubular com um dispositivo interno com construção geométrica rotativa, que submetido a uma alta velocidade gera um vórtice e a força da água fica concentrada no meio dando estrutura molecular estável que é capaz de deixar a água captar os componentes magnéticos de pureza contidos ali,  que são transmitidos a ela através de campos bioenergéticos, proporcionando seu estado vibracional natural.

“Esse mesmo princípio pode ser aplicado à nossa saúde e bem estar já que quando recebemos a água em nossas torneiras ela está praticamente morta (até a água mineral em garrafa), carregando consigo más informações do tratamento químico que foi submetida. Ao passar pelos componentes magnéticos desse equipamento, coadunado com os movimentos dos vórtices a água reencontra sua forma cristalina e é informada novamente com elementos positivos.”Para mais informações acesse : www.drag-al.com.br

De novo me “esbarro” com a geometria sagrada e com a vontade de cada vez mais me aprofundar nessa “matemática misteriosa” que tem seus princípios em todas as formações na natureza, o principio Divino em nós através da forma perfeita nos ensinando o caminho para as soluções em várias áreas de atuação na vida: na arquitetura, no design, na música, na energia livre (www.vectorequilibrium.com), na própria impressão 3D de objetos que expandem esse potencial (www.facebook.com/manaf3D), na indústria para uma solução como essa explanada aqui.

Gratidão!

Cores Vivas …

Pensando na lua de hoje, pensando em Páscoa, em Restauração, logo me veio uma visualização!

Imagine, primeiramente, pixels ou vários quadradinhos em branco e preto existentes na conformação da Terra, dos corpos , dos objetos sendo preenchidos, aos poucos, de cor, de vida! Todas as cores do arco- iris com todas as virtudes associadas a elas como: coragem, sabedoria, amor, beleza, paz, justiça, cura, segurança, prosperidade, alegria … música!

Música? Hum!

“…Bela visão

Cartão postal

Sabor do mel, vigor do sal

Cores da pena de pavão

Cenas de uma vibração total

Cores vivas

Eu pensei  em nós …”

Na casa?

Pode estar no colorido de uma parede ou nesse exemplo da ilustração, nas almofadas.

Eu desejo um banho de vibração de luzes coloridas para nós e todo Planeta.

Metragem pequena x Necessidade de Espaço

Metragem pequena  x  Necessidade de espaço pode ser um conflito quando você não consegue abrir mão de certos hábitos.

Ouço bastante:

– A cozinha precisa ser fechada porque faço muita fritura e não quero a casa toda com cheiro!

– Não quero a Tv na Sala, ela deve ser para visita.

– Esse quarto é para hóspede!

É preciso sair da dualidade e decidir!

Se eu puder opinar, digo:

– Uma cozinha integrada a Sala gera um espaço maior e pode permitir um compartilhar interessante entre os moradores , além de que, diminuir o hábito de fritura só vai fazer bem a saúde!

– A visita e o hóspede, na maioria dos casos, acontecem no máximo uma vez por mês, não dá pra abrir mão do seu conforto pensando nessas eventualidades, certo?

E vamos transformar porque nada nessa vida é estático e tudo que queremos ver modificado no macro, começa na sua atitude, no micro!