Colorir a vida!

Essa ilustração é um estudo de cores para uma fachada que estou trabalhando.E esse arco –Iris de opções, quando bem composto em uma fachada, fica tudo de bom, né?

Cor é vida e cada uma delas emana uma virtude!

Amarelo: Sabedoria/Riqueza/Alegria. Representa o elemento Terra no Feng Shui.

Laranja: Entusiasmo/Alegria. Alguns restaurantes utilizam para aguçar a fome dos clientes!

Violeta: Transmutação/Liberdade/Purificação/Prosperidade.

Azul: Proteção/Fé/Determinação. É muito usado em quarto para promover a tranqüilidade, o descanso. Representa o elemento Água no Feng Shui.

Verde: Cura/Verdade/Justiça/Frescor. Representa o elemento madeira no Feng Shui.

Vermelho: Energia/Realização. Representa o elemento Fogo no Feng Shui.

Rosa: Amor/Empatia.

Lilás: Perdão/Compaixão.

Branco: Paz/Pureza/Criatividade. Representa o elemento metal no Feng Shui.

Porque não usufruir desse potencial?

O Amor vibra em Gonçalves!

Esse abaixo é um texto que escrevi há dois anos. Nessa ida agora para Gonçalves (MG), após quase dois anos, novos espaços surgiram, novas lojas, novas casas gourmet, novos amigos e nova casa me acolheu, com aconchego e entorno exuberante, com lindo jardim, piscina natural, cachoeira dentro da propriedade, novas trilhas, paraíso mesmo … mas tudo que já era continua vibrando fortemente dentro de mim, a ponto de achar que a paixão por esse lugar se transformou em amor!

“Devo confessar que estou apaixonada!

Por ele ou por ela, não importa o sexo, elas, a terra, as cachoeiras, as montanhas me nutrem de tal maneira que posso buscar explicações científicas nos íons negativos, mas o ímpeto yang deles, do céu, do ar, do verde, me fazem completa e integrada com o toque, com os cheiros, com o sabor, com o sorriso, com a beleza infinita.

E nesse ritual tântrico entre eu e esse andrógino ser, ainda tem amigos, animais, música, arte, decoração, terapias, gastronomia e um potencial para apreender e compartilhar.

Gonçalves, amo muito tudo que você proporciona e sem ansiedade confesso que, na visão de lugares do mundo que já conheci, a maior felicidade é aqui, porém, posto que é chama, como toda paixão, que seja infinito enquanto dure.”

Na ilustração, montagem de alguns dos cliques, na redondeza da casa que me acolheu nesse final de semana.

Nas formas … imagem e semelhança da “creação”!

Normalmente há características específicas que identificam o arquiteto e os artistas em geral, ao analisarmos suas obras personificadas na materialidade, no oculto que desejam expressar.

No meu caso, como mostra as fotos, a simetria está sempre presente, assim como a presença do círculo e do tijolinho como material de destaque no acabamento.

A conexão ao projetar proporciona sintonia com a Geometria Sagrada, presente Divino, que por um bom tempo da minha vida, apareceu na criação das formas por pura inspiração, até que a curiosidade me levou ao estudo, ao conhecimento sobre a seqüência de Fibonacci, ao retângulo de ouro, a proporção áurea e conseqüentemente à magia, a beleza e a harmonia que estão presentes em todas as formas de vida na natureza.

E assim cada dia é um aprendizado, na intuição somada ao estudo, na imitação das formas da natureza, praticando a manifestação na matéria, lapidando, aperfeiçoando … transformando e harmonizando o micro para transformar o que queremos ver no macro!

A Teoria Brasileira do Amor!

O documentário “A Teoria Sueca do Amor” de Erik Gandini trouxe respostas que tenho buscado em estudos de como viver mais feliz, levando em conta os relacionamentos, não só o de casal e familiar, mas a interação social com pessoas que possuem a mesma “cola”, ou seja, ideais e hábitos semelhantes.

Segundo o documentário, a Suécia apesar de ser exemplo mundial de uma sociedade perfeitamente organizada, onde seus indivíduos possuem oportunidades iguais para uma existência livre, com liberdade financeira, sem dependências físicas e afetivas em função do dinheiro, há um grande índice de suicídios, a metade da população vive sozinha, mulheres cada vez mais são mães solteiras que recorrem a bancos de sêmen e idosos morrem sem ter ninguém para compartilhar seus últimos momentos e muitas vezes nem suas heranças.

O calor humano parece ser evitado, assim como os conflitos de idéias que uma relação pode trazer não são valorizadas para um crescimento em conjunto e assim as pessoas com receio do contato vão se tornando mais independentes, porém mais infelizes, esquecendo que a interdependência vivifica em nós a capacidade de expressarmos o nosso melhor para o outro, permutando nossos dons e compartilhando a nossa essência.

Aqui no Brasil penso que temos muitos aspectos a resolver com relação à educação, saúde, à liberdade financeira para todos e conseqüentemente a segurança de viver sem os medos que nos tomem ou que nos falte, mas temos o tal do “calor humano” e a vontade de compartilhar, de estarmos juntos para acolher e celebrar a vida.

Dentro do meu trabalho, observo o quanto que o programa dos meus clientes inclui em seu “briefing”, mesmo que não se tenha uma grande área disponível, espaço de lazer para receber os amigos, na comprovação de que juntos somos a força que move a vida em busca da Felicidade.

Na ilustração, Desenho em 3D de uma Área de Lazer desenvolvida para um cliente que adora cozinhar e deseja compartilhar seus dons com a sua companheira e amigos.