O último de 2010

Sendo este o último do ano, ele carrega a intenção de desejar tudo de bom, de belo e de luz neste Natal e em 2011.

Fazendo uma retrospectiva de tudo que postamos em 2010, acredito que conseguimos mostrar um pouco do trabalho que realizamos desde o processo de criação, através de princípios na qual nos baseamos como harmonia ( feng-shui ), sustentabilidade e alquimia, até o resultado final, muitas vezes ilustrado com fotos do Antes e do Depois.

Observo que a cada semana, aprendo mais com esta responsabilidade de contar um pouco do meu dia a dia, nas relações com os espaços, energias, clientes, fornecedores e trabalhadores, e acabo extraindo do meu ser potencialidades que nem eu mesma sabia que existiam.

Uma das lições mais importantes que tenho absorvido desta experiência de postar no blog é o COMPARTILHAR !                       … compartilhar  oque tenho descoberto de melhor no meu ser é um prazer imenso … parece sair de uma fonte inesgotável … porque nasce da semente do amor !

Imagino que se você ainda não descobriu o seu potencial, o seu talento, é bom saber que em 2011 existe uma boa oportunidade para deixar florescer este dom e o seu compartilhar amoroso vai somar com tantos outros despertos, que podemos começar a ter esperança de um mundo melhor para todos nós !

Feliz, feliz … feliz !!!

Foto extraida do albúm ” Vidinha boa ” da querida Tati Galante.

Pavimentação sustentável

” Todo ano o verão chega trazendo tempo quente, muitas nuvens e apreensão.Nas grandes cidades brasileiras, chuvas fortes causam medo e inundações. Com o excesso de asfalto, a água não é absorvida e as enchentes se alastram.Para estudar formas de reduzir o impacto da pavimentação , um simples estacionamento virou laboratório. Pesquisadores da Poli- Escola politécnica da Universidade de São Paulo testam o asfalto que é poroso e absorve a água .
Entrevista com José Rodolfo Martins-Professor da Escola Politécnica da Usp:
 Essa é uma solução que vai dar sustentabilidade, que vai garantir uma eficácia, garantir uma vida útil mais longa para as obras, para os investimentos que se fazem em obras de drenagem.
O asfalto permeável já é comum fora do Brasil.Por aqui ele é usado para cobrir o asfalto convencional em obras como o rodoanel, anel viário de São Paulo.Assim, é possível evitar a formação de lâminas de água na pista e até a aquaplanagem.A novidade é que o teste do revestimento permeável como único material para pavimentação.
O asfalto poroso foi colocado sobre uma camada de 35 centímetros de pedras, um cano perfurado que funciona como um dreno e por último fica uma manta de borracha.
Entrevista com José Rodolfo Martins-Professor da Escola Politécnica da Usp:
 A água ,que penetra no revestimento e fica armazenada no vazio das pedras, é liberada lentamente através de tubos que ficam abaixo da camada. são tubos perfurados que chamamos de drenos,como o que se usa em campos de futebol para retirar a água que cai sobre o gramado. Essa água sai lentamente e vai para o sistema de drenagem, as galerias de drenagem, as bocas de lobo.
Segundo a pesquisa da Poli-Usp, o efeito de absorção do asfalto permeável é superior até mesmo a pisos naturais como argilas, comuns nos solos de São Paulo.Os resultados mostram que a eficiência do material é parecida com a da areia das praias.
Os pesquisadores perceberam que esse tipo de asfalto tem algumas desvantagens.Uma delas é o preço que chega ser 22% mais caro do que o asfalto comum.Outro problema: ele é frágil e não suporta o tráfego pesado, por isso ainda não é indicado para grandes avenidas e estradas.
Entrevista com José Rodolfo Martins-Professor da Escola Politécnica da Usp:
 Esse daqui é muito apropriado para áreas como esta, um estacionamento de veículos, para ruas residenciais, aquelas onde só vai o veículo dos moradores, o caminhão de lixo, o caminhão de gás.
No laboratório à céu aberto, os testes permanecem.Os cientistas querem agora analisar como o revestimento se comporta com o fluxo de veículos. Em parceria com a prefeitura da capital paulista a idéia é propor a utilização do asfalto permeável em grandes estacionamentos e áreas de movimentação de veículos de carga.Pavimentar a cidade com menor prejuízo ao meio ambiente.”

Entrevista com José Rodolfo Martins-Professor da Escola Politécnica da Usp ( Fonte : Tv Cultura – Reporter Eco )
Ilustração : Don MaK

” Você chegou em casa ! “

” Meditação é aventura, a maior aventura que a mente humana pode empreender.(…)
Quando você não está fazendo absolutamente nada – corporalmente, mentalmente, em nenhum nível – quando toda a atividade cessou e você simplesmente é, apenas sendo, isso é meditação.(…)Sempre que você encontrar tempo para apenas ser, abandone todo o fazer.
Pensar também é um fazer, concentração também é um fazer, contemplação também é um fazer. Mesmo que apenas por um único momento você fique sem fazer nada, simplesmente permanecendo no seu centro, totalmente relaxado – isso é meditação. (…) Uma vez que você se tomou consciente de como seu ser pode permanecer imperturbado, então, vagarosamente, você pode começar a fazer coisas, mantendo-se alerta para que seu ser não se agite. Essa é a segunda parte da meditação – primeiro, aprender simplesmente a ser, e então aprender pequenas ações: limpar o chão, tomar um banho, mas permanecendo centrado.(…) Assim, a meditação não é contra a ação. Não é que você tenha que escapar da vida. Ela simplesmente lhe ensina uma nova maneira de vida: você se toma o centro do ciclone. (…)Você não é o que faz, você é o observador. (…) O próprio fenômeno de observar a mente, a transforma. Pouco a pouco o homem louco desaparece, pouco a pouco os pensamentos começam a cair em um certo padrão; seu caos não existe mais, eles se tomam mais como um cosmo. E então, novamente, prevalece uma profunda paz. E quando seu corpo e sua mente estiverem em paz, você verá que eles estão sintonizados um com o outro, há uma ponte. Agora eles não se movem em direções diferentes, eles não estão galopando em cavalos diferentes. (…) o terceiro passo que é tomar-se consciente dos seus sentimentos, emoções, humores. Esta é a camada mais sutil e a mais difícil, mas se você pode estar consciente dos pensamentos, então basta apenas mais um passo. Uma consciência um pouco mais intensa é necessária e você começa a refletir seus humores, suas emoções, seus sentimentos. Uma vez que você ganhou consciência em todos esses três passos, eles se juntam todos em um fenômeno. E quando todos esses três são um – funcionando juntos perfeitamente, zunindo juntos, você pode sentir a música de todos os três; eles se tomam uma orquestra – então o quarto, aquilo que você não pode fazer, acontece. Acontece por sua própria conta. É um presente do todo, é uma recompensa para aqueles que passaram por estes três.
E o quarto é a consciência definitiva, que o toma a pessoa acordada. Ela toma-se consciente da própria consciência – este é o quarto. Este cria um Buda, o acordado.(… )”
  … E aí, finalmente :  Você chegou em casa. ”

Osho
(Extraído do cap. 1 do livro Meditação, a Primeira e Última Liberdade)