A necessidade da alma

” Não temos vida simbólica. Onde vivemos simbolicamente ? Em parte alguma, exceto quando participamos do ritual da vida. Mas quem, entre muitos, de fato participa do ritual da vida ?

Bem poucos …

Temos um canto em algum lugar da nossa casa em que realizamos ritos, como vemos na India ? Mesmo as casas mais simples tem pelo menos um canto cortinado onde os membros da família podem levar uma vida simbólica, onde podem fazer novos votos ou meditar. Nós não temos isso. Não temos um canto assim … só a vida simbólica pode exprimir a necessidade da alma. Imagine você, a necessidade cotidiana da alma ! E como não tem algo assim, as pessoas não podem sair da esfera da sua experiência … essa vida terrível, opressiva, banal, em que não são ‘ nada senão ‘ … e é por isso que as pessoas são neuróticas … a vida é muito racional, não há nenhuma existência simbólica em que eu seja alguma outra coisa, em que eu cumpra o meu papel como um dos atores no divino drama da existência ”

Texto : Carl Jung / Foto colhida do lindo blog  “para ser zen” de Marcelo de Abreu

A missão do arquiteto

A missão do arquiteto e do designer de interiores é proporcionar um espaço funcional e esteticamente admirável para quem o contrata.

Verdadeiro ?

Do ponto de vista superficial da coisa, sim.

Esta missão, em muitos casos, atua numa proporção muito maior ! Quem contrata pode ser que vá começar uma vida nova e quer um espaço que corresponda à sua nova fase, outros precisam de um impulso para encerrar uma etapa de suas vidas e pensam num ambiente que cumpra a função do recomeço e outros podem querer limpar a memória de um espaço que nunca o pertenceu para transforma-lo num berço de acolhimento e de identidade com o seu ser.

É uma responsabilidade muito grande para o profissional e para quem o escolhe. Quem contrata, inconscientemente, também quer o médico, o terapeuta, o ” benzedor”, … , sendo a sintonia de ambos ( contratado e contratante ) muito importante para o bom resultado do que se espera, do ponto de vista superficial e  do mais profundo da coisa, já que o trabalho começa  acontecer após o aceite da proposta.

Deve existir um tempo para esta simbiose de idéias e quereres … um vazio que permita que a essência Divina fale e que possamos ter ouvidos para sentir e sensibilidade para ouvir, antes de atuar … Neste meio tempo o espaço vai sendo construido ou reconstruido, primeiramente no etérico, até que as manifestações de aceitação permitam que os primeiros traços sejam realizados.

É  notório como a harmonia do espaço já acontece mesmo em projeto !

Sou grata à todos que de alguma forma chegam até nós e que através de nossa sintonia, realizamos  juntos um trabalho alquímico e curador.

Agradeço também a arquiteta e amiga egregoriana Nivia Nogueira ( Nivinha) que despertou em mim a vontade de postar sobre este tema.

 A ilustração é  do querido amigo e artista Candido de Alencar Machado.

Traço do arquiteto

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=P0DGDT6mj_I[/youtube]

“… Esse imenso, desmedido amor

Vai além de seja o que for

Passa mais além de céu de Brasília

Traço do arquiteto

Gosto tanto dela assim … “

Adoro essa música de composição de  Caetano Veloso e Djavan  que citam o traço do arquiteto, aqui no caso, o traço de Oscar Niemeyer … sinuoso, original, criativo  … corajoso … e aproveito para deixar aqui a minha homenagem a este grande inventor ! ( … como ele mesmo diz : Arquitetura é invenção )

A saúde e o meio ambiente

A geobiologia é uma ciência que pesquisa as diferentes relações entre o meio ambiente e a saúde dos seres vivos. Tal ciência nasceu dos estudos e observações de diversos radiestesistas que comprovaram a relação causa-efeito entre exposição às emanações telúricas e alterações na saúde. (…)

 A Terra e o Cosmos emitem energias que interagem com os seres vivos, mantendo-os saudáveis ou gerando doenças. Também as construções, os aparelhos elétricos e eletrônicos, a rede elétrica das vias férreas, ruas e casas, os objetos que nos circundam, o campo mental das pessoas e as energias intrusas de origem espiritual podem nos afetar nocivamente. (…)

A energia telúrica é gerada no Centro da Terra e emitida perpendicularmente na superfície. Diversos radiestesistas pesquisaram de que forma esta energia escapa da crosta terrestre e constataram que ela forma uma verdadeira malha com paredes verticais e perpendiculares entre si. O Dr. Ernest Hartmann, médico e radiestesista alemão, foi quem mais profundamente estudou o assunto, daí a principal malha energética da Terra ser conhecida hoje como Rede de Hartmann.

Esta rede é retangular e mede cerca de 2 metros no sentido Norte-Sul e 2,5 metros no sentido Leste-Oeste. Os cruzamentos da rede H (Rede de Hartmann) são chamados de “pontos geopatogênicos” pois emitem raios gama e V-E. Estes pontos podem ainda emitir V+E, Vermelho E, raios alfa e raios beta.

Quando uma pessoa fica sobre esses pontos por muito tempo (dormindo, trabalhando, estudando ou em lazer) ela poderá desenvolver inúmeras doenças, principalmente câncer. (…)
As linhas da rede H, nos dois sentidos, são alternadamente de carga positiva e de carga negativa. Assim sendo os pontos geopatogênicos poderão ser de três tipos: positivos (+com+), negativos (-com-) e bipolares (+com-). A exposição a esses pontos gera o chamado “estresse geopático”, que debilita o organismo e favorece os processos patológicos. Os efeitos fisiológicos do estresse geopático incluem, entre outros, os seguintes:

a) trocas de polaridade da membrana celular, gerando ionizações anômalas

b) alteração de ressonância protônica das moléculas protéicas

c) anomalias das ligações de hidrogênio

d) anomalias da regulação basal do mesênquima

e) desequilíbrios hormonais

f) desvio dos valores do pH

g) fomento de anomalias vegetativas

h) alteração da oscilação da coluna vertebral

Dependendo da polaridade do ponto geopatogênico, as manifestações do estresse geopático serão diferentes. Vejamos algumas dessas manifestações.

1- Estresse negativo (YIN)

Nesse caso o campo negativo extrai energia do organismo, gerando desordens hipoenergéticas e o predispondo aos processos degenerativos e malignos. Como exemplo temos fadiga crônica, artrite, hipotensão arterial, esclerodermia, esclerose múltipla, câncer. É freqüente a inversão do spin das moléculas protéicas.

2- Estresse positivo (Yang)

Neste caso o campo positivo leva um acumulo de energia, gerando desordens hiperenergéticas tais como hipertensão arterial, enxaqueca, derrame, infarto do miocárdio, psicose. Há ainda, a predisposição ao alcoolismo e, nas crianças, aos ataques epileptiformes.

3- Estresse misto (Yin-Yang)

Neste caso as manifestações patológicas são mistas devido ao caráter bipolar do ponto geopatogênico. As alterações mais freqüentes serão aquelas relacionadas à polaridade predominante.

Nem toda pessoa exposta a esses pontos nocivos da rede H irá apresentar doenças. Os fatores condicionantes da geopatogenicidade são, entre outros, os seguintes:

a) grau de resistência biológica

b) grau de resistência psicológica

c) gênero de vida (alimentação incorreta, uso de fumo, álcool e/ou drogas, intoxicação medicamentosa)

d) poluição eletromagnética ambiental

e) ondas de forma nocivas ambientais

f) fatores potencializadores dos pontos geopatogênicos: veios de água, cruzamentos de rios subterrâneos, fissuras geológicas, cavidades subterrâneas (cavernas, galerias, tubulações, poços, etc.), veios metalíferos, ruptura na composição do subsolo (p.e areia com argila formando uma falha seca), coincidência com um cruzamento da rede de Curry, existência de material radioativo (inclusive gás radiônico).”

Fonte : Radiestesia Hoje, ( Neuci Gonçalves )/Foto : Graziela Lima